Tamanho do texto:
Atualizado em: Sábado, abril 29 2017

Genetics para aumentar a produção de cana

Os cientistas no Brasil estão tomando providências para modificar geneticamente cana-de-açúcar por isso produz mais sacarose naturalmente, olhando para, eventualmente, aumentar a produtividade e os benefícios económicos da grama tropical.


Actualmente, é comum para os produtores de elevar os níveis de sacarose em cana de açúcar através da aplicação de reguladores de crescimento químicos artificiais ou maturação. Isto inibe a floração, que por sua vez prolonga o período de colheita e de moagem.

Um desses reguladores de crescimento, ethephon, é usado para gerenciar, culturas agrícolas hortícolas e florestais em todo o mundo. É amplamente utilizado para manipular e estimular a maturação de cana de açúcar, uma vez que contém etileno, o qual é libertado para a planta em pulverização.

Etileno, uma hormona de amadurecimento considerado em plantas, contribui para aumentar o armazenamento de sacarose na cana de açúcar.

"Embora soubéssemos etileno ajuda a aumentar a quantidade de açúcar na cana, não era claro como a síntese e ação deste hormônio afetou a maturação da planta", disse Marcelo Menossi, professor na Universidade de Campinas (Unicamp) e coordenador do projeto, que é apoiado pela fundação de pesquisa brasileiro FAPESP.

Para estudar como etileno age sobre cana, os pesquisadores pulverizado ethephon e um inibidor de etileno, aminoetoxivinilglicina (AVG), na cana-de-açúcar antes de ele começou a amadurecer.
accumulation.jpg sacarose

Após a pulverização ambos os compostos, eles quantificada níveis de sacarose em amostras de tecidos das folhas e caule de cana. Eles fizeram isso cinco dias após a aplicação e novamente 32 dias depois, no dia da colheita.

Essas plantas tratadas com o amadurecedor etefon tinha 60 por cento mais de sacarose nos entrenós superior e médio no momento da colheita, enquanto as plantas tratadas com o inibidor AVG tinha um teor de sacarose que foi inferior em 42 por cento.

Os investigadores foram capazes de identificar os genes que respondem à acção do etileno durante o amadurecimento da cana-de-açúcar. Eles também identificaram com sucesso os genes envolvidos na regulação do metabolismo de sacarose, bem como a forma como o hormônio atua em sites de acúmulo de sacarose na planta.

Com base nas conclusões, a equipe propôs um modelo molecular de como etileno interage com outros hormônios.

"Sabendo quais os genes ou maturação tornam possível para a planta para aumentar a acumulação de sacarose nos permitirá fazer melhoramentos genéticos na cana de açúcar e desenvolver variedades que sobre-expressam estes genes, sem a necessidade de aplicação de etileno, por exemplo," explicou Menossi .

Essa pesquisa também poderia ajudar com manchar a cana mais produtiva, como algumas variedades que não respondem bem aos hormônios, acrescentou. "Será possível identificar aqueles [variedades] que melhor expressar esses genes e facilitar a ação de amadurecimento."

Tomado de um boletim pela FAPESP, Um doador SciDev.Net, editado por nossa América Latina e no Caribe mesa

você pode gostar também

  • fundo de investigação Sugar visa compensar final do sistema de quotas
  • verme parasita usa açúcar para enganar o sistema imunológico
  • surto fatal no Brasil poderia decorrer de cana-de-açúcar

Se conectar com US

Assine a nossa newsletter